Terça-feira, 01 de Agosto, 2017 às 09:55h

Para aliados de Temer, pedido de prisão mina influência de Aécio

Aécio é acusado de corrupção passiva e obstrução da Justiça.

Dois dias após Michel Temer receber o senador Aécio Neves (PSDB-MG) para jantar, a avaliação de aliados do presidente é de que o governo errou ao dar papel central ao tucano na operação para convencer indecisos do PSDB a votarem contra a denúncia da Procuradoria Geral da República (PGR). A avaliação foi feita por parlamentares nesta segunda-feira (31) a ministros do Planalto.

Em uma das conversas, segundo relato ao Blog, deputados disseram a auxiliares de Temer que, se Aécio ainda tinha qualquer capacidade de mobilizar deputados indecisos da bancada do PSDB, sua articulação perde força com o novo pedido de prisão de Rodrigo Janot.

Aécio é acusado de corrupção passiva e obstrução da Justiça. Segundo as investigações, ele teria pedido e recebido R$ 2 milhões da JBS e atuado no Senado e junto ao Executivo para embaraçar as investigações da Lava Jato.

Nas palavras de um líder da base aliada, os tucanos indecisos já se dizem preocupados com o desgaste com voto a favor do presidente da República, alvo da denúncia por corrupção passiva.

Mesmo assim, admitem que poderiam ajudar Temer, se não fosse o fato de que, agora, o voto contra a denúncia significaria também uma associação a Aécio, escalado pelo Planalto para a missão de buscar votos.

Temer quer ajuda para garantir cerca de 10 votos do PSDB que se dizem indecisos. A bancada tem 46 deputados, mas aumenta com o retorno dos dois ministros tucanos para a Câmara amanhã, data da votação.

No fim de semana, Temer recebeu Aécio para jantar. O presidente tem interesse em fortalecer o grupo do senador dentro do PSDB.

Ele tem sido incentivado pelo peemedebista a brigar pela presidência do PSDB, ocupada hoje por Tasso Jereissati.