No ar
Victor Gedminas
Sabadão Popular
Terça-feira, 12 de Dezembro, 2017 às 09:46h

O que é um robô na web e como ele pode influenciar o debate nas redes?

Nas redes sociais, contas falsas são criadas para tentar criar tendências. Lidar com elas será um desafio nas eleições de 2018

Sabe aquele chat que se usa ao fazer compras pela internet ou para tirar dúvidas sobre atendimento? Os chamados “bots” ou programas de computador feitos para interagir com humanos e dar respostas sobre coisas práticas são cada vez mais comuns. O que também tem se tornado recorrente é o uso dessa tecnologia, aliada a humanos, para influenciar debates nas redes sociais.

Reportagem especial da BBC Brasil publicada pelo G1 na semana passada revela um exército de perfis falsos usados para influenciar as últimas eleições no Brasil. O texto fez parte de uma série batizada de ‘Democracia Ciborgue’.

Doutor em sociologia, diretor da FGV-Dapp e responsável pelo estudo “Robôs, redes sociais e política no Brasil”, o professor Marco Aurélio Ruediger diz que em torno de 2% dos robôs no Twitter implicam em retuítes de 15% a 20% sobre determinado tema.

Pablo Ortellado, professor da Universidade de São Paulo (USP), concorda e diz que a situação será ainda mais nociva que nos últimos pleitos. “Vai ser pior que 2014 porque a situação política está ainda mais polarizada, as tecnologias estão mais desenvolvidas e a penetração das redes sociais está maior. A polarização apaixona as pessoas. Mesmo as pessoas verdadeiras viram atores de difusão”, diz.

Segundo ele, além dos bots (ou robôs), que são mais comuns no Twitter, existem as personas, mais disseminadas no Facebook. “Os robôs são programas que postam coisas automaticamente. Têm um repertório de contas falsas, que são operadas por uma máquina, normalmente com o intuito de fazer trending topics. Você cria uma hashtag que está bombando por meio de uma ação falsa, e não porque as pessoas estão falando. É uma estratégia muito comum no Twitter”, afirma.

Existem softwares e programas para isso, segundo Ortellado. É possível criar contas e alimentar o programa com os conteúdos que elas devem disseminar. “Você vai escrevendo várias mensagens, simulando que é uma pessoa. Aí, a cada 2, 3 minutos, o programa publica o conteúdo de forma alternada entre os perfis”, diz.

Por conta desse comportamento automático, o professor afirma que é relativamente fácil identificar esses robôs. Os conteúdos são muito parecidos, senão iguais, e o intervalo de publicação é muito curto. Por outro lado, a facilidade com que eles são criados e mantidos é grande. “Você não precisa que a pessoa interaja com você, já que é o objetivo é entrar nos trending topics. Existem muitos milhares de robôs no Twitter, é um percentual grande das contas. É um problema estrutural da rede social faz tempo”, diz Ortellado.

Já as personas são perfis falsos criados e gerenciados por pessoas reais. “É uma estratégia diferente. O objetivo da persona é estabelecer vínculo com pessoas comuns, e não trending topics. É influenciar pessoas por meio de um comportamento automático de manada.”

Para isso, muitas agências de propaganda política têm contratado pessoas para criar e alimentar essas contas com objetivos específicos, segundo o professor. “São distribuídos perfis demográficos, de um jovem de Duque de Caxias (RJ) sem filhos, por exemplo. A pessoa contratada dá vida a esse perfil, faz amizades, interage e fica o dia todo alimentando aquela conta como se fosse aquela pessoa falsa.”

Os objetivos, de acordo com Ortellado, são variados e podem ser desde levantar bandeiras políticas até tirar a atenção de algum assunto que esteja bombando nas redes. “Quando um político está sendo atacado, os perfis ligados a ele entram com a missão de atacar o adversário, de trocar de assunto. Faz tudo maneira articulada. A pessoa normal vê várias coisas e fica com a impressão de que tem um processo espontâneo de mudança de assunto.”

Por terem “pessoas reais” por trás, estas personas são mais difíceis de serem identificadas, segundo Ortellado. “A persona é mais maliciosa. Nos robôs, você vê o comportamento automático; com as personas, é diferente. Não é uma máquina que está fazendo, é uma pessoa que interage, que tem humor. É muito mais difícil de ser notado. Por isso, é pouco estudado.”

De acordo com o professor, estes perfis estão no ar desde pelo menos as eleições de 2012 no Brasil. Há especulação entre os estudiosos que as eleições de 2014, que foram marcadas pela polarização política no Brasil, serviram como laboratório para estratégias de influência digital que foram utilizadas nas últimas eleições americanas e no processo do Brexit, no Reino Unido.

Combate
Segundo Ortellado, o combate a esses perfis é muito difícil, principalmente em relação às personas. “São pessoas se passando por outras. Mesmo assim, o Facebook fecha 1 milhão de perfis falsos por dia em todo o mundo. O Twitter também fecha muitos bots. Mas os perfis são fechados e as pessoas vão lá e fazem novos. É enxugar gelo.”

Ruediger, da FGV, diz que certamente muitas contas do Facebook já existem e já foram utilizadas anteriormente. “Perfis falsos são bastante preocupantes, em especial porque no caso do Facebook você tem algoritmos, de aproximação de pessoas, que torna possível uma amplificação para segmentos que não estão dentro de determinados ecossistemas de conhecidos/amigos. Isso gera uma complexidade bastante grande. Ambos vão ser magnificados ano que vem como a gente nunca viu antes no país. Suponho que o Facebook tenha um efeito bastante complexo porque vai ter uma penetração distinta do Twitter”, afirma.

Como funciona
Mas como o robô funciona, de que maneira ele entra na vida das pessoas e tenta influenciar o debate político?

Thiago Rondon, diretor do Instituto Tecnologia & Equidade e fundador do AppCivico, explica: “O robô nada mais é que um programa de computador que atualmente está sendo utilizado para se passar como humano, como nós. Como a gente não tem um contato físico hoje com todo mundo com quem a gente se relaciona por redes sociais, então esse programa de computador pode simplesmente começar a se relacionar com a gente como se fosse uma outra pessoa, comentando. Por exemplo, a gente coloca uma foto em uma rede social e alguém vai lá e faz um comentário bacana. Vai mandar uma mensagem e pode ser que você comece ali a se relacionar digitalmente com uma pessoa que é um software na realidade. Isso é a definição dos robôs”.

“Existem os robôs do bem, mas a pauta no momento são os robôs do mal, que estão sendo usados para criar consenso falso e que dificultam que a gente tenha uma análise crítica do que está acontecendo no mundo”, diz Rondon.
E como isso ocorre? Rondon explica que hoje as pessoas vivem no que se chama economia da atenção. Ele diz que as plataformas querem deixar seus usuários felizes o tempo todo para que eles permaneçam o maior tempo possível nelas. As plataformas medem essa satisfação e os robôs usam essas informações.

“Se você entrar em uma rede onde você é confrontando em seus ideais, sua ética, questões religiosas, você não vai mais querer utilizá-la. Essas plataformas aprenderam que precisam nos deixar satisfeitos e felizes a maior parte do tempo. Os robôs estão identificando isso através das comunidades das quais a gente participa, dos likes que a gente dá em redes sociais e começam a interagir conosco como se fosse uma pessoa que pensa da mesma maneira que a gente, compartilhando as mesmas coisas, comentando as mesmas coisas”, diz Rondon.

O problema é que esses robôs capazes de aprender comportamentos e simular pessoas estão sendo criados com infraestrutura de apoio pronta para ser executada a favor de uma ideia A ou B. E isso envolve dinheiro, porque esses exércitos de robôs podem ser comprados para influenciar o debate na rede.

“Um caso comum é o Trump por exemplo: ele tem 19 milhões de robôs o seguindo e 17 milhões de humanos. Esses robôs estão espalhados por todas as cidades dos Estados Unidos, em várias comunidades e em váris perfis de pessoas. Na época das eleições, esses robôs começam a falar sobre algum assunto relacionado a esse candidato que faz sentido para essa comunidade. Você tem múltiplos discursos, muito bem direcionados e que essa estrutura montada com muita antecedência permite criar influência. É obvio que com o tempo isso virou um modelo de negócio. São empresas que prestam serviços que estão levantando esses perfis e vendendo os serviços nesse sentido de mensagem.”