No ar
Wagner Alexandre
Batidão Popular
Segunda-feira, 26 de Março, 2018 às 09:19h

Notificações de casos de febre amarela sobem 62% após o carnaval

Turismo durante o feriado é principal hipótese para explicar novo pico. Desde julho do ano passado, foram 340 mortes e mais de mil casos confirmados.

As notificações de casos de febre amarela aumentaram 62% nos dias seguintes ao carnaval, de acordo com dados do Ministério da Saúde. Esses avisos acontecem quando médicos alertam órgãos de saúde que atenderam alguém com suspeita da doença.

As notificações não devem ser confundidas com casos confirmados ou mortes causadas pela doença. Desde julho do ano passado, o Brasil teve 1.098 casos de febre amarela e 340 mortes.

A maior circulação de turistas em áreas de risco durante o carnaval é uma das hipóteses dos especialistas para explicar o aumento das suspeitas de pessoas infectadas. A alta no pós-carnaval é maior que a de outros períodos recentes, e somente inferior ao período do fim de férias de janeiro, que registrou aumento de 79% das notificações.

As taxas percentuais foram extraídas da análise dos dados divulgados semanalmente pelo Ministério da Saúde. A pasta divide esses dados em semanas epidemiológicas (SE) – períodos de 7 dias que não necessariamente seguem a sequência do calendário (com isso, a SE1 não é a primeira semana do ano).

A partir da análise da série, verifica-se que os dados divulgados na semana epidemiológica 8 (entre os dias 18 e 24 de fevereiro) apresentam alta significativa. Houve 1.094 casos a mais no período quando comparado à semana 7 (entre 11 e 17/2). Em termos absolutos, a alta é superior aos 479 novos casos verificados entre as semanas 3 e 4. Ali, entre 14 e 20 de janeiro e 21 e 27 , o aumento percentual foi de 79%.

Ainda, o aumento de 62% entre a semana 7 e 8 é destoante do período imediatamente posterior e anterior — em que as taxas de crescimento foram bem mais lentas.

Entre as semanas 5 e 6, o aumento foi de 26,4%. Também entre as semanas 8 e 9, o crescimento voltou a ficar mais devagar, com um aumento de 12%.

Apesar do carnaval este ano ter caído entre os dias 9 e 13 de fevereiro, a divulgação dos dados é feita depois por dois motivos: os sintomas do vírus só se manifestam de 3 a 5 dias após a infecção e há um tempo para o Ministério da Saúde compilar e divulgar os dados.

“Os serviços de saúde e de vigilância de um modo geral também ficam mais lentos nesse período e as notificações podem se acumular”, explica Expedito Luna, pesquisador do Instituto de Medicina Tropical (USP).

Fonte: g1.globo.com