Carregando o site.. Por favor aguarde. 
Terça-feira, 15 de Maio, 2018 às 12:46h

Dólar continua a subir e chega a R$ 3,69

Na véspera, moeda dos EUA fechou a R$ 3,6275, na maior cotação em mais de 2 anos, mesmo com intervenção reforçada do BC.

O dólar abriu em alta nesta terça-feira (15) diante da incerteza eleitoral no país e do temor de que os juros nos Estados Unidos subam mais do que esperado neste ano. Na véspera, a moeda dos Estados Unidos fechou no maior nível em mais de 2 anos.

Às 11h30, o dólar subia 1,19%, a R$ 3,6717 na venda. Na máxima do dia, chegou a R$ 3,6932. Veja mais cotações.

Já o dólar turismo era negociado a R$ 3,82. Nas casas de câmbio, já é vendido na casa dos R$ 4,00 no cartão pré-pago, já considerando o Imposto Sobre Operações Financeiras (IOF) de 6,38%. Em espécie, a cotação varia entre R$ 3,83 e R$ 3,91, já com o imposto de 1,1%, segundo pesquisa do G1.

Nesta sessão, o dólar avançava para a máxima em cinco dias ante uma cesta de moedas, acima de 93, após dados robustos da economia norte-americana e que reforçam apostas de que o Federal Reserve, banco central do país, pode elevar os juros mais do que o esperado neste ano.

Taxas elevadas têm potencial para atrair para a maior economia do mundo recursos aplicados em outras praças financeiras, como a brasileira. As vendas no varejo dos EUA subiram 0,3% em abril, em linha com as projeções, mas os dados de março foram melhorados, mostrando expansão de 0,8%, sobre 0,6%.

O dólar também exibia alta firme ante moedas de países emergentes e exportadores de commodities, em dia de avanço do rendimento do Treasury de 10 anos para acima do patamar de 3%.

O movimento reflete ainda a cautela com a pesquisa eleitoral divulgada na véspera que indicou a preferência por candidatos que os investidores enxergam como menos comprometidos com ajuste fiscal.

Na véspera, o dólar fechou em alta de 0,73%, a R$ 3,6275, na maior cotação desde 29 de abril de 2016, quando alcançou R$ 3,6392. Nem mesmo a atuação reforçada do Banco Central no mercado de câmbio foi capaz de segurar o dólar, que só nas últimas três semanas acumulou ganhos de mais de 5%. No ano, a alta é de 9,48%.